medir para gerenciar 

 

ambições do tamanho certo

 

de olho no futuro

 

Captura de Tela 2021-01-13 às 16.09.05.p
Captura de Tela 2021-01-13 às 15.59.47.p
Captura de Tela 2021-01-13 às 15.58.43.p
 

medir para gerenciar 

 

A principal ferramenta utilizada para a quantificação de emissões é o Inventário de GEE. As emissões diretas dos escopos 1 e 2 são obrigatórias, já as do escopo 3 tanto upstream como downstream são opcionais, e dependem da abrangência e do objetivo do trabalho proposto.
 
O Inventário completo realizado de forma confiável é a base de outros instrumentos úteis, que permitem determinar:

  • a contribuição específica da empresa para as mudanças climáticas, comparação setorial e análise de benchmark em emissões de carbono,

 

  • a pegada de carbono dos produtos ou serviços da empresa, e como estes comparam em relação a concorrentes diretos e indiretos,

 

  • informações para fins de compliance (ISE, CDP, GHG Protocol, Dow Jones, GRI, ICO2)

 

  • o tamanho e impacto de sumidouros de carbono, tais como florestas próprias,

 

  • a precificação interna de carbono, e a curva ABC de oportunidades de redução de emissões de GEE na empresa.

 

ambições do tamanho certo

 

Conhecendo os impactos climáticos das operações e sua localização na cadeia de valor, é possível desenhar um plano de ação coerente, que ajude a minimizar os danos ambientais e maximize o valor para a empresa. 
 
Utilizamos de um lado uma metodologia própria que considera os Pontos de Geração de Valor na cadeia de valor da empresa, para determinar aonde e como cada empresa deve buscar reduzir ou compensar suas emissões.
 
Outro mecanismo de estabelecimento de metas é o Science Based Targets, definindo métricas de avaliação de impacto que podem ser usadas para controles internos ou para divulgações públicas, tal qual a TCFD (Task Force on Climate-related Financial Disclosures). 
 
Através do uso destas ferramentas conseguimos determinar: 

  • o impacto financeiro dos riscos e oportunidades climáticas,

 

  • os benefícios e custos de projetos de sustentabilidade (financeiro, social e ambiental),

 

  • a elegibilidade de projetos de redução de emissões para diferentes plataformas e metodologias de geração de Créditos de Carbono,

  • a elegibilidade de financiamento verde (acesso ao mercado de capitais com taxas vantajosas)

  • o valor da compensação de emissões via Créditos de Carbono ou Preservação de área florestal (análise de custo/benefício e como se enquadra na estratégia da empresa)

 

de olho no futuro

 

A crise climática e ecológica impõe desafios crescentes e diversos. De um lado empresas devem se preparar para operar num mundo em transformação. De outro lado regulações governamentais impõem riscos e oportunidades que devem ser considerados. 
 
A ATA apoia empresas a delinear estes limites apoiando seus clientes a agirem de forma proativa, considerando:

  • quais ativos estão mais vulneráveis a mudanças,

  • quais plantas ou operações podem sofrer com estresse hídrico e falta de abastecimento,

  • quais riscos físicos diferentes investimentos podem estar expostos,

  • quais seriam planos de adaptação,

  • qual as prováveis regulamentações governamentais podem afetar os negócios, no Brasil e no mundo,

  • quais oportunidades as mudanças climáticas oferecem